Brasileira/ Carnes/ Review/ São Paulo

A Casa do Porco e a genialidade de Jefferson Rueda

Não sei se Jefferson Rueda prefere ser chamado de Chef ou Açougueiro, mas uma coisa é certa: gênio ele é.

CASA-DO-PORCO-JEFFERSON-RUEDA-13

A Casa do Porco Bar inaugurou há pouco mais de dois meses na cidade de São Paulo, sendo o cardápio pensado, e executado, tendo o porco, uma das carnes mais menosprezadas pelos brasileiros, como principal ingrediente.

CASA-DO-PORCO-JEFFERSON-RUEDA-06

Muitas coisas me motivaram a conhecer a casa (mais do que o próprio intuito da viagem, a Comic Con Bad Experience), mas nada que superasse o Porcopoca (pururuca com sais de especiarias).

CASA-DO-PORCO-JEFFERSON-RUEDA-03

Por apenas R$10,00, inseridos num saquinho de pipoca carimbado com a marca da casa, essa pururuca tem feito sucesso pelo Instagram. Mas o mais importante é que o sabor procede a fama. É delicioso, sequinho e muito crocante. E quando nos deparamos com uma estufa cheio dessas pipocas, a vontade de querer mais só aumenta.

CASA-DO-PORCO-JEFFERSON-RUEDA-07

Não se exceder e criar dúvidas quanto a escolha é um tanto difícil, afinal o cardápio é composto por muitos itens, sendo a maioria criação do próprio Rueda. Mas, pensando nisso, a casa criou um sistema que se chama “de tudo um porco”, onde é possível, em pequenas quantidades, provar um pouco de cada prato.

Mesmo que tivesse a curiosidade de desbravar diversos sabores e pratos feitos à base de toda parte do porco – e quando digo toda, é toda mesmo -, seria necessário estar acompanhado de mais pessoas e que gostem do bicho. O que não foi o caso nesse dia.

Depois do Porcopoca, outro item que tem chamado a atenção é o Torresmo de Pancetta com Goiabada (R$24).

CASA-DO-PORCO-JEFFERSON-RUEDA-04

Quatro generosas fatias de barrica de porco com muita suculência, crocância e sabor. Por óbvio, é um prato com grande concentração de gordura, porém não pesa no estômago, tampouco fica enjoativo.

CASA-DO-PORCO-JEFFERSON-RUEDA-05

A goiabada, mesmo que picante, ajuda a balancear o sabor. Achei a ideia incrível, sendo que algo tão rústico chegou à mesa de maneira super delicada e muito bem apresentada.

Isso se deve ao trabalho formidável e sensibilidade de Rueda. Ele é quem finaliza os pratos e os deixa assim.

CASA-DO-PORCO-JEFFERSON-RUEDA-12

Outro item que pedimos, na maior ingenuidade, foi uma Linguiça de Porco (R$24).

CASA-DO-PORCO-JEFFERSON-RUEDA-08

Pensávamos que viria apenas uma ou duas linguiças. Ato falho em não perguntar.

Ao total, são quatro linguiças cortadas ao meio acompanhadas de hortaliças diversas. Todos feitos na brasa. Sem excessos de gordura, como alguns lugares gostam de assim fazer, é possível sentir o gosto da carne e os temperos aplicados. São muito saborosas, porém poderíamos ter pensado em outro prato, dado as diversas possibilidades de inovações.

Já estávamos quase de buchinho cheio e resolvemos pedir somente um prato principal sem correr o risco de ter sobras na mesa. Portanto, escolhemos o carro chefe da casa, o Porco San Zé (R$42).

CASA-DO-PORCO-JEFFERSON-RUEDA-09

Acompanhado de Tutu de Feijão, Tartar de Banana, Couve e Pão, uma deliciosa porção das mais diversas partes do porco. Extremamente suculento e com uma pele crocante.

CASA-DO-PORCO-JEFFERSON-RUEDA-11

O Tartar de Banana é algo fabuloso. Ele é simples, mas de um sabor impressionante. Assim como o Tutu, que é bem saboroso e está longe de ser aquela paulada no estômago.

CASA-DO-PORCO-JEFFERSON-RUEDA-10

Encantamento é o que define esse lugar. Desde os detalhes mais simples, como o carimbo da marca no saco do Porcopoca, ao mais elaborado, como as louças e demais itens personalizados.

CASA-DO-PORCO-JEFFERSON-RUEDA-02

As diversas combinações e possibilidades de sabores que a Casa do Porco oferece são impressionantes, sendo possível experimentar algumas sobremesas que muito nos chamou atenção, como o pudim de leite com algodão doce, mas que por motivos de buchinho cheio não nos permitiu pedi-lo.

Aparentemente, parece ser uma comida pesada (talvez seja pela quantidade de gordura) e que dificultaria a digestão, no entanto isso foi algo que muito me chamou a atenção, pois nenhum desses pratos nos deixou mal.

Pagamos aproximadamente R$ 130,00 por toda essa comilança, fazendo óbvias comparações com Floripa, e extremamente encantados com a casa.

E para quem acha caro, a casa ainda oferece uma parte de atendimento externa onde oferece sanduíches com preços a partir de R$ 15,00.

CASA-DO-PORCO-JEFFERSON-RUEDA-01

Se você estiver por São Paulo, por favor, não deixe de ir nesse lugar incrível!

A Casa do Porco Bar

  • Endereço: Rua Araújo, 124, Centro, São Paulo – SP.
  • Telefone: (11) 3258-2578
  • Aceita cartões: Sim
  • Estacionamento: Não

You Might Also Like

4 Comentários

  • Responder
    Angela
    13 de janeiro de 2016 at 1:50 pm

    Atendendo à recomendação, almocei hoje na Casa do Porco. Em resumo, não vejo a hora de voltar. Da sua resenha, que retrata fielmente o lugar, só faltou destacar os ótimos drinks feitos por Jaqueline, em especial a Cachaça Sour. No mais, curioso como num estado com a excelência de produção suína como é o caso de Santa Catarina não tenhamos um lugar assim para potencializar todo o sabor desta deliciosa carne.

    Gracias pela dica

    • Responder
      Everton Veber
      21 de janeiro de 2016 at 4:28 pm

      Olá, Angela.
      Fico feliz que tenhas gostado da casa. Ela é realmente incrível.
      Quanto ao nosso estado, realmente, é triste saber que não temos casas especializadas nesse segmento.
      Volte lá e depois nos conte da nova experiência.
      Obrigado!

  • Responder
    Sara
    15 de março de 2016 at 9:00 pm

    Não gostei da experiência como um todo. O lugar é legal e bem decorado, o atendimento é bom mas os drinks são mal preparados e caros, o e a comida deixa muito a desejar. Adoro porco e ao saber que em São Paulo existia uma Casa do Porco, quase alucinei. Pensei “até que enfim, no Brasil, um lugar especializado em preparar pratos com carne de porco”. Minha alegria durou pouco, muito mais apresentação que sabor. Sem falar no preço…..

    • Responder
      Everton Veber
      16 de março de 2016 at 9:07 am

      Olha, fico surpreso. Pela primeira vez eu vejo um comentário assim sobre a casa. Uma pena ter acontecido contigo.

    Comente