Francesa/ Review

Comidaria Gourmet: não, não abrimos um restaurante

Duas semanas antes da abertura do novo restaurante que compõe a via gastronômica de Coqueiros chegaram muitas mensagens na inbox da fanpage do Comideria. Mensagem do tipo “vocês vão abrir um restaurante?” Gente conhecida, seguidores que comecei a conversar naquele momento, muita gente mesmo. Por pouco não tive que contratar o Davi pra fazer um contra-release (inventei agora).

comidaria-gourmet-ambiente

Mas aproveito o momento pra dizer que não, nem eu nem o Everton abrimos um restaurante. O Comidaria Gourmet não é nosso apesar de ter um logo bem sugestivo, um nome muito parecido e ter as cores do nosso blog em toda a sua identidade visual. Deve ter sido uma homenagem, a qual já agradeço publicamente. Obrigado, nos sentimos muito lisonjeados, só falta nos avisar disso! 😉

comidaria-gourmet-entrada

Eu fui conhecer a casa. Nós dois, aliás. Ela ocupa o espaço que antes era usado pelo Osanai, um restaurante de comida japonesa meia boca. Ante a tantos concorrentes de peso era tragédia anunciada. O espaço das mesas é muito parecido, embora tenha a mobília nova e decoração muito mais bonita que seu antecessor. É aconchegante, tem vista pro mar. O atendimento é bom e bastante cordial, não levando em conta e entendendo que o garçom que nos atendeu estava começando naquele dia e teve que ir até o balcão umas 3 vezes para repassar algumas dúvidas que tínhamos sobre os pratos.

comidaria-gourmet-cardapios

A comida também é boa. Bastante saborosa, pra dizer a verdade. A carta oferece crepes. Apenas e tão somente. Eles são divididos em 4 categorias: Salgados clássicos, salgados gourmet, doces clássicos e doces gourmet. Os clássicos dispensam apresentações, já os gourmet são mais elaborados, não só na preparação quanto na escolha dos ingredientes e suas combinações.

comidaria-gourmet-poivre-vert

Eu pedi um gourmet, o de Filé ao Poivre Vert. São iscas de filé mignon salteadas na manteiga e molho com pimentas verdes e conhaque, como manda o figurino. Como vem bastante molho não dá pra esperar uma massa muito consistente, mas não é molenga. Não estoura antes que você mesmo a corte. É bem preparada nesse sentido.

Cada crepe “gourmet” acompanha uma salada verde com aceto balsâmico e um molho. Já nos clássicos o molho pode ser escolhido no cardápio, entre eles a maionese especial, que é muito boa, molho golf, cebola caramelada, o “pesto de manjericão” (subir pra cima, descer pra baixo, pleonasmo desnecessário) etc.

comidaria-gourmet-carne-seca

Na mesa ainda experimentamos os sabores Carne Seca, Carne de Panela e Strogonoff de Camarão. Todos muito bem preparados de igual forma e saborosos. Há quem diga que o de Carne de Panela foi o melhor da noite.

comidaria-gourmet-limao-siciliano

De sobremesa pedi um crepe doce. Escolhi o Tortinha de Limão Siliciano. Com recheio irresistivelmente doce e uma cobertura de chantily delciosamente generosa. Esse, ao contrário do salgado, vem no formato de crepe que mais conhecemos, como um pastel aberto.

Os únicos poréns da casa são o preço e a demora.

Por mais que toda a comida estivesse saborosa acho que R$26 é um pouco salgado, com o perdão do trocadilho. Ainda que tivesse pedido um recheio que eles chamam de gourmet, não vejo motivo para que ingredientes tão simples (não tinha foie gras ou trufa branca, por exemplo, que são matérias primas caras) custassem quase 30 reais. O crepe doce custou R$16, esse já mais compatível mas igualmente inflacionado.

Além disso, tivemos que esperar cerca de 30 minutos pela comida. Por menos que isso o Gordon Ramsey já deu muito esporro em seus futuros chefs. Sei que toda comida boa precisa de um tempo pra ficar pronta, mas 30 minutos por um crepe passa um pouco do aceitável.

Ademais, recomendo a visita. E mais uma vez reitero: não, nós não abrimos um restaurante. E também não, eu não acredito em coincidências.

Comidaria Gourmet

  • Rua Fritz Muller, 50. Coqueiros, Florianópolis.
  • Telefone: (48) 3206-9718
  • Aceita cartões: sim

You Might Also Like

29 Comentários

  • Responder
    Pedrovisky
    8 de novembro de 2013 at 8:29 am

    Fora todas as “homenagens” e “coincidências”, o lugar se chama COMIDAria e serve só crepe? Só aí já me sentiria decepcionado (e enganado). Se a intenção é servir só crepe, chama logo de Creperia.

    E outra, além de se chamar COMIDAria, o logo é uma panela de barro! O mínimo que se espera de uma marca assim é uma casa de comida caseira. Essa foi a expectativa causada em mim, mesmo que fosse até uma coisa na linha mais hipster como das iogurterias, cupcakerias e brigadeirias. E não acho que eu tenha sido o único a pensar isso.

    Pode até ser gostoso, mas somados esses problemas que citei, mais a demora e preços relatados, pra mim, seria uma grande decepção.

    • Responder
      Daniel Becher
      8 de novembro de 2013 at 10:38 am

      Oi Pedro, parece que ao meio-dia eles servem almoço também. É que eu só fui a noite, e não tem nenhuma referência ou aviso de que meio-dia servem outro cardápio, então só comentei dos crepes mesmo.

    • Responder
      Everton Veber
      8 de novembro de 2013 at 12:16 pm

      Quanto a panela, pois bem, se você notar, nosso logo tem uma fumacinha. Deixo aberto à imaginação de cada um. E pra te deixar ainda mais confuso: percebeu a concha no logo?

      Sou publicitário, criei o logo do Comideria, acredito em referências (todo publicitário se baseia nisso), mas nesse caso em especial do Comidaria, eu NÃO acredito em coincidências.

  • Responder
    Mônica
    8 de novembro de 2013 at 8:56 am

    só pelo preço nem experimentar eu tive vontade!
    As pessoas perdem cliente com isso… tsc, tsc, incrível.

    também não acredito em coincidências! ah, ótimo post!

  • Responder
    Hiram Damin
    8 de novembro de 2013 at 8:57 am

    Sempre muito bom o blog! Parabéns !!!

    • Responder
      Daniel Becher
      8 de novembro de 2013 at 10:39 am

      Sei que vou arrumar encrenca com este comentário, mas lá vai: Comideria: feito de colorado pra colorado. hahahaha

  • Responder
    Denis Budag
    8 de novembro de 2013 at 9:05 am

    Poxa, vi as fotos e fiquei bem empolgado, mas com esse preço eu vou em outras creperias mais baratas e como coisas gostosas também.

    Quem sabe um dia, mas acho difícil.

    Ah sim, parabéns por inspirarem toda comunicação visual 🙂

    Abração

  • Responder
    Marion
    8 de novembro de 2013 at 10:05 am

    Bom, na fachada se intitula restaurante e creperia, mas serve apenas crepes. No meu ponto de vista, já é natimorto, pois não tem identidade, não sabe o que é. A identidade visual não condiz com o produto carro-chefe da casa. É tudo e nada, ao mesmo tempo. Com esses preços exorbitantes, o formato troncho do crepe e ingredientes triviais, não me empolguei para conhecê-lo. Apesar disso, adorei o post. Sempre bem escrito, objetivo e detalhado. Abraços!

    • Responder
      Daniel Becher
      8 de novembro de 2013 at 10:40 am

      Obrigado, Marion! Fico feliz em saber que você sempre nos acompanha! 🙂

  • Responder
    Tatiane Silva
    8 de novembro de 2013 at 10:35 am

    Oi, Dani, o Comidaria Gourmet não serve apenas cremes. Durante o dia eles abrem para almoço também. Apenas não deixam isso claro. Também achei que o nome e a logomarca provocam essas dúvidas.

    • Responder
      Daniel Becher
      8 de novembro de 2013 at 10:42 am

      Oi Tati! Pois é, ouvi dizer que servem almoço também. Tô repassando aí pro povo que reclamou disso nos comentário (e com razão). Eu nem dou bola pra isso, restaurante com nome que não condiz com o que é servido tem aos montes, deve ser por isso que chama-se “Nome Fantasia”. hahahaha Valeu pelo comentário e pela explicação! 🙂

  • Responder
    Samantha
    8 de novembro de 2013 at 12:43 pm

    O crepe de carne de panela até estava gostoso, mas convenhamos que não tinha nada de especial para justificar o preço (ao menos que a panela em questão tenha sido uma Le Creuset, né…).
    Mas o crepe de chocolate branco e preto foi uma baita decepção. Deveriam mudar o nome do crepe para “crepe de calda de chocolate preto e calda de chocolate branco”, pelo menos seria mais adequado. O crepe de chocolate da festa do Divino, feito de Batom, é muito melhor e mais barato! hahahaha #maispolêmicaqueosmamilos

    • Responder
      Daniel Becher
      10 de novembro de 2013 at 5:53 pm

      Pois é, caro mesmo. Mas o mais irônico é que o batom não é chocolate, aquilo que você comeu era. Deve ser só questão de costume mesmo 😀

      • Responder
        Samantha
        11 de novembro de 2013 at 8:58 am

        Caro amigo Daniel, quero constar em ata que não sou blogueira de gastronomia e realmente desconheço os critérios para definir o-que-é-chocolate-de-verdade e o-que-não-é-chocolate-de-verdade. Com isso não estou afirmando que há obrigatoriedade de que os blogueiros entendam tecnicamente do que estão falando, mas acredito que ao avaliar uma comida/restaurante vocês prezam por certos valores pré-estabelecidos em virtude da responsabilidade de publicar as opiniões para seus leitores. Acho justo.
        Fato é que acredito que gostar ou não de uma comida ou restaurante depende de uma percepção bastante subjetiva – o que não desmerece os blogs, de forma alguma – que não deve ser subestimada. A experiência-gastronômica-do-dia é o resultado de uma série de fatores, por isso podemos gostar ou não de um mesmo prato e mudar de opinião como se não houvesse amanhã.
        Isso tudo para dizer que não acho irônico o fato do Baton (pesquisei no Google e descobre que é com “n”) não ser chocolate. Viciada em chocolates que sou, corroboro que prefiro o crepe de Baton feito nas festas de rua àquele que eu comi no Comidaria. Se o do restaurante é feito com chocolate-de-verdade, ao contrário do meu querido crepe de Baton, pior ainda, uma vez que não justificaria ser ruim. E para mim, o crepe-de-chocolate-de-verdade estava muito ruim por dois motivos: 1) não era feito de chocolate, mas sim de calda de chocolate – e para mim isso faz bastante diferença, e 2) estava frio. Se em todos os lugares do mundo é servido assim, tranquilo, somente concluo que não gosto de crepe.
        Acho que não quero me acostumar com essas comidas de verdade. Vou voltar para meu bom e velho crepe de Baton e xis-do-Ito.
        Beijos, me curte.

        • Responder
          Daniel Becher
          11 de novembro de 2013 at 9:24 am

          Oi Samantha,

          Realmente, o crepe de Baton é bem gostoso. Eu como ele também. Mas deve ser por isso que ele é vendido na praia, nas feiras de rua, nas quermeces e coisa e tal. Num restaurante, principalmente quando tem uma proposta de gastronomia um pouco mais elaborada (não quer dizer que seja melhor, acho que não precisa dizer, mas é importante frisar), os ingredientes precisam ser mais elaborados também. O fato de você não gostar não diminui o seu paladar ou você como pessoa. Mas é irônico sim por uma questão puramente semântica: gostar mais de crepe de chocolate que não é chocolate do que o crepe de chocolate que é de chocolate. E isso, inclusive, pode ser até uma crítica ao próprio restaurante (o fato de um crepe de não-chocolate ser mais gostoso que um crepe de calda de chocolate).

          De um jeito ou de outro sim, isso é bastante irônico!

          Beijos, me add.

  • Responder
    FernandoMS
    8 de novembro de 2013 at 10:58 pm

    Poxa, mesmo com o preço salgado fiquei com água na boca. Irei lá! Ótimo post Dani, parabéns!

    • Responder
      Daniel Becher
      10 de novembro de 2013 at 5:50 pm

      Vai lá, sim, depois me conta o que achou! Abraço, meu querido!

  • Responder
    Marcelo Leite
    10 de novembro de 2013 at 5:05 pm

    Ué, agora não entendi. Há 2 minutos li aqui (http://comideria.com/top-5-melhores-sushis-de-florianopolis/#comment-9561) um artigo onde o Osanai era um dos seus Top 5. Inclusive postei um comentário discordando de tal classificação.
    Agora me deparo com esse artigo sobre a Comidaria Gourmet dizendo: “ocupa o espaço que antes era usado pelo Osanai, um restaurante de comida japonesa meia boca”.
    Nada contra mudar de opinião. É comum irmos a um estabelecimento uma vez, gostarmos (ou não) e na segunda visita mudarmos completamente de opinião. Só acho que no seu caso a matéria deveria ser atualizada para não gerar uma dica furada.
    A propósito, gosto muito do site.

    • Responder
      Daniel Becher
      10 de novembro de 2013 at 5:49 pm

      Grande Marcelo! Te respondi lá e te respondo aqui também, e você novamente mata a charada: “É comum irmos a um estabelecimento uma vez, gostarmos (ou não) e na segunda visita mudarmos completamente de opinião”. Isso acontece mais do que imagina.

      Sobre atualizar, houve uma atualização da lista: O TOP 5 sushi já tem uma segunda edição, aqui vai o link: http://comideria.com/top-5-melhores-sushis-de-florianopolis-segunda-edicao/, publicada em 18 de janeiro de 2013. E daqui dois meses provavelmente teremos uma nova, e muito provavelmente muda bastante coisa por lá.

      Pra você ter uma idéia da volatilidade do mundo, ontem as 13h eu comprei uma Apple TV e quase quis exumar o Steve Jobs e beijá-lo na boca. Neste momento estou quase jogando o aparelho na parede. C’est la vie =)

      Abraço, meu caro, e obrigado pelos comentários!

  • Responder
    Thais
    26 de novembro de 2013 at 2:04 pm

    Meu namorado almoçou lá e disse que estava tudo muito bom! Comida mais sofisticada em formato de buffet à kilo… Também fomos comer um crepe e eu achei bem gostosinho viu? Experimentei o filé com gorgonzola!!! Como moramos perto e não curtia muito o japonês de antes, curti bastante a novidade mesmo com essa polêmica toda sobre o nome…

  • Responder
    Sigmar
    21 de janeiro de 2014 at 12:38 pm

    Assim como a Samantha tive o desgosto de comer o crepe de “chocolate”, deveria estar escrito calda de chocolate, não consegui comer, não volto mais lá!

  • Responder
    Jaqueline
    26 de janeiro de 2014 at 3:13 pm

    Oi, gente, acompanho o Blog de vocês e quase sempre consulto aqui as dicas quando vou conhecer um lugar novo. Sexta, por acaso, fui comer no Comidaria e achei excelente. Tanto que fui no almoço e na janta rs. O almoço é muito bom, eles oferecem buffet mas não tinha nada de especial – mais uma opção para quem está pela região. Á noite, o crepe não demorou muito, o prato estava quente e bem saboroso (pedi calabresa) e o preço eu achei acessível (R$16,50) levando em conta que é uma refeição, apesar de que 15 estaria bem pago. Talvez tenha sido sorte, mas supre recomendo o lugar. No primeiro momento também achei que tinha alguma relação com o Blog de vocês. Sei que os donos não são daqui (perguntei no caixa), mas realmente faltou pesquisa na identidade visual ou… muita coincidência rs

    Grande abraço a todos!

    • Responder
      Daniel Becher
      26 de janeiro de 2014 at 10:46 pm

      Oi Jaqueline! Primeiramente tenho que te dizer que fico muito lisonjeado em saber que você consulta o Comideria para suas experiências gastronômicas. É o nosso objetivo sendo cumprido, nossa idéia dando certo. Obrigado por isso! 🙂 sobre o Comidaria, muito me falaram sobre o almoço deles, ainda quero passar por ali próximo ao meio dia pra entrar e experimentar. Obrigado por compartilhar conosco! 🙂

  • Responder
    Brito
    28 de janeiro de 2014 at 8:27 pm

    Moro perto e como la semanalmente, a comida a kg e a melhor de coqueiros, XVII e AABB sao horriveis, quanto ao crepe o filet gorgonzola e otimo, camarao e outros, com certeza o melhor crepe de floripa desde a falecida creperia da Lagoa, o crepede Nutella e otimo o de chocolate achei horrivel……

  • Responder
    Rosemei
    28 de fevereiro de 2014 at 10:54 pm

    Almocei no Comidaria e adorei. Muito saboroso…

  • Responder
    Rafael
    20 de maio de 2015 at 2:54 pm

    Achei o local incrível e custo x benefício muito atraente. Quanto ao tempo de preparação foi bem similar às outras creperias e o crepe é eu achei delicioso.

  • Responder
    daniella
    14 de julho de 2015 at 11:15 am

    Ola

    Conheci o blog hj ( 11/07/2015) e li todos os comentários. sou a designer responsavel ela identidade visual da casa. Vamos as explicaçõrs tecnicas. A intenção da casa inicial era somente a buffet – explicação da panela e sua fumaça. Ou seja um simbolo talvez cliche, mas de desta forma abrangente, Para remeter a comida caseira, foi escolhida a terracota, para remeter a casa, caseira, comida de origem, comida quente e aconchegante. Quanto a questão de NAMING esta diretamente relacionada a dona da casa, que aos mais intimos, sabem que é uma pessoa que gosta de cozinhar bastante comida. panela cheia, por isso o nome COMIDARIA. ou seja muita comida…. nada tema ver com o referido blog (no qual tomei conhecimento hj). Em contraponto foi adicionado a palavra gourmet (antes desse processo todo de gourmetização de tudo) para remeter a algo mais sofisticado, o que também tem a ver com a dona da casa que é chef e nao somente cozinheira ou admistradora do estabelecimento.

    Quanto a comida acredito que somente ir la e comendo.
    Os valores dos crepes justificam a qualidade dos ingredientes. Assim como algumas creperias de florianópolis. Inclusive seguem a mesma linha da extinta creperia da LAGOA e de Centro NOVELLE VAGUE.

    Quanto a comida também segue o mesmo padrão e conceito. MUITA COMIDA e um toque gourmet.

    Hj na internet somos todos críticos, chefs, publicitários, designers e etc. Acredito que somente indo lá para comprovar o que foi dito acima e por algumas pessoas que tiveram a oportunidade de ir lá. Comida se critica experimentando….
    Qq duvida estou a disposiçao.

    att designer do comidaria!

  • Comente